DMI Daily Comments – 5 de dezembro de 2018

A proposta de reforma da previdência, segundo o presidente eleito, será dividida em partes. Primeiramente, as peculiaridades do regime público seriam tratadas. Secundariamente, temas como a elevação da idade mínima (+2 anos), desindexação ao Salário Mínimo e antecipação de benefícios assistenciais (LOAS) seriam endereçados. Cada fatia da reforma exigiria um instrumento jurídico próprio (via PL ou PEC), o que por sua vez implica em diferentes estratégias de aprovação no Congresso. Este fatiamento pode atrasar/alterar o impacto fiscal total das mudanças sugeridas, ainda que talvez facilite o andamento de cada pauta.

Hoje, Bolsonaro se reunirá com as bancadas do PR e do PSDB na Câmara. E dará então continuidade as negociações para a formação da base de apoio ao governo PSL. Esta articulação com as legendas e, eventualmente, até nomeações para cargos de menor escalão serão relevantes para assegurar a governabilidade a partir de 2019. As reformas econômicas, vale destacar, demandarão 3/5 dos votos no Congresso para sua aprovação (em duas votações).

O STF determinou ontem a abertura de processo para investigar suposto caixa 2 pago a Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro-chefe da Casa Civil, em 2012 (R$ 100 mil) e 2014 (R$ 200 mil). Investigação esta que, provavelmente, adentrará o novo governo.

Os mercados globais estão em território negativo nesta manhã como reflexo de tensões geopolíticas e indícios de fraqueza na economia americana (inversão dos juros longos). Neste momento, o índice pan-europeu Stoxx600 cede -0,9%, sendo que a bolsa londrina desvaloriza em -1,2%, seguida por Paris (-1,1%) e Frankfurt (-1,0%). Destaques de baixa para ações de bancos e tecnologia. O Euro perde valor frente o Dólar (para US$1,1336) e os juros longos na Alemanha recuam para 0,257%.

Nos UK, a instabilidade política se acentua poucos meses antes da saída do bloco europeu, marcada para 29 de março. Ontem, o parlamento britânico decidiu, por maioria absoluta, que a documentação jurídica da negociação entre Theresa May e a União Européia será publicada na íntegra já nesta quarta-feira (05). A votação atestou a fragilidade de May na conjuntura atual e aponta para dificuldades no próximo dia 11, quando o projeto do Brexit será apreciado de forma definitiva. Caso seja rejeitado, os próprios parlamentares conduzirão o processo de desmembramento, que poderá inclusive ser bloqueado.

A sessão de quarta-feira também foi negativa nas praças asiáticas. Ainda que o Ministério do Comércio da China tenha reiterado que implementará de imediato as medidas acordadas com Donald Trump, os índices de Xangai (-0,6%), Shenzhen (-0,5%) e Hong Kong (-1,6%) fecharam em queda, influenciados por bancos e tech stocks. O mesmo foi observado em Tóquio (Nikkei -0,5%).

Nos EUA, as bolsas fecham hoje em homenagem póstuma ao ex-presidente G.H.W. Bush. Na Europa, destaque para o PMI do Reino Unido e da Zona do Euro, juntamente com as vendas varejistas europeias.